Não sabe que fantasia usar? Temos 400 idéias

GS_Haloween_Costumizer_002

Semana que vem eu tenho uma festa à fantasia para ir e, assim como outras vezes, escolher meu “personagem” não é muito difícil (só é difícil quando eu tenho várias idéias e aí não consigo decidir entre elas)… mas tem gente que se mata para escolher uma fantasia. Lá em 2009 o estúdio GS Design criou uma peça de auto-promoção bem divertida: um par de dados (e mais tarde um app para iPhone) para te ajudar a decidir qual fantasia usar nas festas de Halloween. Continuar lendo

Soviet Ghosts, fotografias do que restou da União Soviética

Monumento Buzludzha, na Ucrânia

Monumento Buzludzha, na Ucrânia

Rebecca Litchfield é uma fotógrafa londrina especializada em edifícios abandonados, cenários escuros e fotografia de viagem. Em seu livro Soviet Ghosts, a moça seleciona imagens da extinta União Soviética, cujas ruínas não só assombram como revelam a grandiosidade e megalomania do Estado socialista, ativo entre os anos de 1922 a 1991. Continuar lendo

hershey-logo

Existem casos de designs ruins e decisões mal tomadas, mas também existem casos em que o resultado é percebido de forma diferente do que se imaginou durante todo o processo, mesmo que o design não seja exatamente ruim. É o caso do símbolo gráfico presente na nova logomarca (uso o termo a contragosto) da Hershey que, bem, parece um cocô fedendo. E tenho certeza absoluta que não é intencional.

Continuar lendo

O novo símbolo da Hershey’s parece um cocô fedendo

Ilustrações de Tim Doyle

Tim-Doyle-2

Há alguns anos atrás conheci o ilustrador Tim Doyle. O que me chamou a atenção e fez eu me apaixonar pelas ilustras foi o estilo “poster” das imagens… quero dizer, muito contraste, muito preto, os traços são super detalhados mas a paleta de cores é sempre simples e saturada, como se todo trabalho fosse pensado para ser serigrafado – e talvez seja, já que ele próprio é dono de um estúdio de serigrafia.

Continuar lendo

Vasos feitos com centenas de lápis de cor

amalgamated-pencil-vases-01

Uma das mais interessantes características do artesanato e/ou design é a capacidade que alguns artistas têm de enxergar além do óbvio. Imaginar novas formas, novos usos e, claro, novos materiais. Quando éramos crianças, todos fizemos caixinhas com argila, palito de sorvete e lápis de cor… mas nem em seus sonhos mais loucos o eu criança imaginou vasos como os criados pelo finlandês Markunpoika:

Continuar lendo

Fontes tipográficas são criadas por designers, calígrafos e tipógrafos. Mas o que acontece quando elas são criadas por pessoas que nada entendem do assunto e, ainda por cima, vivem na marginalidade?

Homelessfonts é uma iniciativa da Fundación Arrels que consiste em criar tipografias a partir da caligrafia de pessoas que vivem nas ruas. A idéia é que os usuários e marcas utilizem estas tipografias. Todos os benefícios obtidos são destinados a ajudar as 1.400 pessoas que atende a Fundación Arrels.”

Continuar lendo

Fontes criadas pelas mãos de moradores de rua

Lembra do Cristo Redentor fechando os braços, projeção mapeada que rolou lá em 2010 e todo mundo viu porque era inédito no Brasil? Bom, como (quase) qualquer tecnologia, a técnica da projeção mapeada (projection mapping) continuou evoluindo e então Nobumich Asai criou o projeto Omote, que une esta técnica com face tracking, isto é, reconhecimento facial. Continuar lendo

Face tracking e projection mapping em tempo real

Lembra da Socialmatic Camera?

Socialmatic-1

Ano passado o estúdio italiano de design ADR apresentou um projeto denominado Socialmatic Camera, que mistura duas marcas fortes no mundo da fotografia, a tradicional Polaroid e a moderníssima Instagram. A ideia é simples, trazer de volta ao o mundo real o que o Instagram levou ao digital. O projeto era despretensioso mas se tornou o gadget mais desejado do ano e a Polaroid, que não é besta nem nada, tratou de entrar em contato com o estúdio para tornar a Socialmatic realidade. Continuar lendo

hispters-in-stone-2

Os franceses Léo Caillard e Alexis Persani se uniram para criar um projeto divertido em que vestiram roupas da moda em antigas estátuas. O projeto, intitulado Hipsters in Stone, une fotografia com manipulação digital: o fotógrafo Léo capturou imagens das estátuas e de seus amigos em poses iguais; Alexis apagou as pessoas das fotos e uniu suas roupas às estátuas, criando a ilusão de que as próprias esculturas estão vestidas. Continuar lendo

Esculturas antigas com roupas da moda