Processo de ilustração para Spirit Magazine

brian-miller-spirit-2

Eu gosto de postar trabalhos que documentem o processo de criação e produção. Assim, não só aprendemos como são feitos alguns trabalhos, como principalmente conhecemos as experiências de outros profissionais e como eles buscaram resolver problemas. Neste post, compartilho o processo do ilustrador Brian Miller para a Spirit Magazine.

“Tive o privilégio de fazer algumas ilustrações editoriais para a Spirit Magazine, revista a bordo dos vôos da Southwest Airline […] Esta foi uma das melhores experiências de ilustração editorial […] um artigo interessante, e uma ilustração desafiadora!”

Brian comenta que fez um número incomum de sketches para esta publicação, pelo simples prazer de experimentar. Ainda assim, adiciona que nem sempre esta prática é interessante, principalmente quando você sabe que sua primeira ideia é a que melhor representa o texto.

Na minha opinião, e digo isso por experiência, se o cliente envia um briefing bem explicado (o que é raro) não existe a necessidade de criar mais do que um único layout… infelizmente isso quase nunca acontece. Eu sou sempre a favor de enviar somente uma arte, afinal de contas, o cliente provavelmente não sabe o que quer, e um único layout é o suficiente para que ele próprio possa desenvolver o conceito que ele precisa mas ainda não sabia que precisava – ficou claro? Inclusive, tenho bronca de cliente que pede uma segunda opção, mas não dá nenhuma dica de como você poderia fazer diferente da primeira opção, na qual você provavelmente perdeu algum tempo desenvolvendo a ideia.

Voltando ao assunto, Brian conta que, tendo o layout sido aprovado, passou a trabalhar a ilustração em tons de cinza. Isto, diga-se de passagem, é uma opção interessante para ilustração digital, e eu já tinha visto antes, apesar de que outros ilustradores não se interessaram em dar motivo para trabalhar em tons de cinza – Brian, no entanto, explica que desta maneira é mais fácil focar em detalhes importantes como formas e boa iluminação, o que possivelmente resultará numa boa arte final.

“Sempre acreditei que se você consegue fazer [a ilustração] funcionar em preto e branco, isto aumenta as chances de funcionar em cores.”

A maior vantagem de trabalhar desta forma é que cada objeto recebe seu próprio tratamento de cor, por estarem em layers separados e que, no fim, acabarão por diminuir o tempo de re-trabalho por causa das alterações dos clientes. É por isso que eu também costumo trabalhar com muitos layers de ajustes de cor, brilho e etc., porque é normal o cliente ficar voltando atrás nas alterações que havia pedido.

Ilustração antes do pedido do cliente para alteração das cores, resultando na imagem do topo deste post
Ilustração antes do pedido do cliente para alteração das cores,
resultando na imagem do topo deste post

Sobre a ilustração em si, eu gostei muito, sempre aprecio um bom desenho retrô, com paleta de cores simples e bem equilibrada. Se tiver curiosidade, dá uma olhada no portfolio do cara, porque tem muita coisa boa.

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s