Canetas que escaneiam e reproduzem a cor são balela

Já faz pelo menos uns 5 ou 6 anos que eu tenho visto uns conceitos de canetas (ou outros dispositivos) com as quais você pode escanear a cor de um objeto e ela reproduz aquela cor no instante seguinte – ótimo para desenhar, por exemplo. Hoje eu vi que um desses conceitos finalmente saiu do projeto e está em pré-venda. Mas eu acho tudo balela!

scribble
Scribble

Scribble – este vai virar realidade em breve. A caneta pode tanto reproduzir a cor em uma mistura de CMYK (como qualquer impressora) na ponta da caneta, como também pode enviar os dados da cor escaneada para o computador (que é uma coisa boa e funciona bem). Mas veja bem, no site eles prometem “combinar qualquer cor”.

color-picker
Color Picker Pen

Color Picker Pen, da coreana Jinsun Park – acho que este foi o primeiro conceito que eu vi, dentre tantos outros mais tarde. Só que, tão cedo a ideia parece boa, já é detonada pelo simples fato de que a designer criou o projeto da caneta para reproduzir as cores escaneadas com a mistura de três tintas: vermelho, verde e azul. Que vacilo!

Qual o problema?

Antes de tudo, os conceitos são legais – eu adoraria uma caneta capaz de fazer isto da maneira correta – só que na prática é impossível entregar o que elas prometem, pelo menos com a tecnologia atual. O que elas prometem? Reproduzir qualquer cor que você escanear. E por que isto é impossível? Porque qualquer indivíduo com um mínimo de conhecimento de tecnologia de impressão sabe que existe uma limitação na escala de cores possíveis com o sistema CMYK. Abaixo tem um exemplo bem simples sobre o que aconteceria caso a pessoa tentasse reproduzir uma cor especial Pantone (propositalmente escolhi uma cor que é mistura de outras) ou o verde máximo do RGB:

Untitled-1

A reprodução do Pantone no sistema CMYK não dá uma diferença tão gritante (embora ela exista), e eu escolhi de propósito uma cor Pantone que fosse quase fielmente reproduzível com CMYK. Mas olha a diferença que dá o verde do RGB quando é impresso. É uma baita diferença! Aliás, não manja nada de sistemas de cor RGB e CMYK? Então dá uma olhada neste post que eu escrevi.

Por que isso me incomoda? Porque sim. Imagina que você é uma dessas pessoas que não tem conhecimento de impressão e muito menos de sistemas de cor, aí você escaneia aquela cor linda naquela capa de revista e, na hora de reproduzir, sai uma caca. Ou então vai colorir um desenho de uma laranja super apetitosa que você fez e a cor parece mais de uma laranja murcha.

Enquanto eu souber que existem diferenças enormes entre os dois sistemas de cor e que algumas cores são impossíveis de serem replicadas no sistema oposto, eu dispenso estas canetas. Mas quem sabe o que o futuro nos trará. Enquanto isso, prefiro curtir com o Cube.

Bônus – I/O Brush

Fugindo um pouco do assunto. O I/O Brush segue o mesmo princípio das canetas mencionadas no início do post (selecionar a cor de um objeto real e reproduzi-la), mas o caminho é diferente porque a aplicação é puramente digital. O pincel tem uma câmera na ponta que grava cores, padrões e até movimentos que são depois “pintados” em uma tela. Divertido!

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s